É possível ter parto normal de gêmeos?

O parto normal de gêmeos é sim possível e vamos explicar um pouco sobre as gestações gemelares.

Espontânea ou pós- tratamento, a gestação gemelar tem duas possibilidades para acontecer: mais de um óvulo liberado e cada um fecundado por um espermatozoide, com implantação de todos no útero. Nesse caso, serão gêmeos bivitelinos (ou trivitelinos se forem 3, por exemplo) e não serão idênticos. Podem ou não ter o mesmo gênero, cada um tem sua placenta e sua bolsa, sendo chamada de gestação dicoriônica (duas placentas) e diamniótica (duas bolsas).

A outra maneira de ocorrer a gestação gemelar é a liberação de um único óvulo que será fecundado por um espermatozoide e, durante a multiplicação celular desse ovo, há separação em dois ou mais ovos, dando origem a dois ou mais embriões. Esses gêmeos serão idênticos, com mesmas características genéticas físicas como cor dos cabelos, dos olhos, gênero, etc.

Dependendo do momento em que ocorreu essa separação dos ovos, os gêmeos podem ter cada um sua placenta (dicoriônica) ou dividirem a mesma placenta (monocoriônica). Se forem duas placentas, serão duas bolsas (di/di, ou seja, dicoriônica e diamniótica). Se for apenas uma placenta, podem ter uma ou duas bolsas amnióticas (mono/mono ou mono/di, respectivamente).
Dividirem a mesma placenta implica em mais riscos durante a gestação.

O maior risco de uma gestação gemelar é o parto prematuro. Mas também há maior risco de pré-eclampsia e diabetes gestacional, além de possível divergência entre o crescimento dos bebês, tudo isso justificando acompanhamento pré natal diferenciado, inclusive com mais exames de ultrassom.

Gestação gemelar aumenta as chances de cesárea necessária, mas se for diamniótica e o primeiro bebê estiver cefálico (cabeça para baixo), o parto normal é possível, desde que não haja contraindicações à via de parto vaginal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *